Ah, Onde Estou, Poema de Álvaro de Campos (Fernando Pessoa)

0Shares

Ah, Onde Estou

Ah, onde estou onde passo, ou onde não estou nem passo,
A banalidade devorante das caras de toda a gente!
Ah, a angústia insuportável de gente!
O cansaço inconvertível de ver e ouvir!
(Murmúrio outrora de regatos próprios, de arvoredo meu.)
Queria vomitar o que vi, só da náusea de o ter visto,
Estômago da alma alvorotado de eu ser…
 

   

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.