Como a pescada…, Conto de Olavo Bilac

0Shares

Como a pescada…

Casados há três meses, — já o arrufo, já o ciúme, já a resigna… E Clélia quer que o marido, o Álvaro, lhe ponha já para ali toda a verdade: se foi de fato noivo de Laura, e porque é que foi expulso da casa de Laura, e porque não casou com Laura, e porque é que a família de Laura lhe tem tanta raiva…
— Mas, filhinha, sê sensata; não nos casamos? não somos felizes? não te amo como um louco? que queres mais? beijemo-nos que me importa a mim a lembrança de Laura, se é a ti que amo, se te pertenço, se sou o teu maridinho carinhoso? — suspira Álvaro, procurando com os lábios ansiosos os lábios da arrufada Clélia…
— Não, senhor! não, senhor! — diz a teimosa, repelindo-o — Não, senhor! quero saber tudo! vamos a isso! foi ou não foi noivo de Laura?
— Ai! — geme o marido — já que não há remédio… fui, queridinha, fui…
— Bem! e por que não casou com ela?
— Por que… por que o pai preferiu casá-la com o Borba, comendador Borba, sabes? aquele muito rico e muito sujo, sabes?
— Sei… Mas isso não explica o motivo porque o pai de Laura tem tanto ódio ao senhor…
— É que… é que, compreendes… tinha havido tanta intimidade entre mim e a filha dele…
— Que intimidade? vamos, diga tudo! o senhor costumava ficar sozinho com ela?
— Às vezes, às vezes…
— E abraçava-a?
— Às vezes…
— E beijava-a?
— Às vezes…
— E chegava-se muito para ela?
— Sim, sim… Mas não falemos nisso! que temos nós com o passado, se nos amamos, se estamos casados, se…
— Nada! nada! — insiste Clélia — quero saber tudo, tudo! vamos! e depois?
— Depois? mais nada, filhinha, mais nada…
Clélia, porém, com um brilho singular da curiosidade maliciosa nos grandes olhos azuis, insiste ainda:
— Confesse! confesse! ela… ela não lhe resistiu? não é assim?
—…
— Diga-o! confesse! — e abraça o marido, adulando-o…
— Pois bem! é verdade! — responde ele — mas acabou, passou… Que importa o que houve entre mim e Laura, se nesse tempo ainda eu não te conhecia, a ti, tão pura, a ti, tão boa, a ti que, enquanto foste minha noiva, nem um só beijo me deste?

………………………………………………………………………………………………

Clélia, muito séria, reflete… E, de repente:
— Mas, escuta, Álvaro! como foi que o pai soube?
— Por ela mesma, por ela mesma! A tola contou-lhe tudo…
— Ah! Ah! Ah! — e Clélia ri como uma louca, mostrando todas as pérolas da boca — ah! ah! ah! então foi ela quem… que idiota! que idiota! ah! ah! ah! Ora já se viu que pamonha? aí está uma coisa que eu não teria feito! — uma asneira em que não caí nunca…
— Como? como? — exclama o marido, aterrado — uma asneira em que não caíste?!
— Mas, certamente, queridinho, certamente! há coisas que se fazem mas não se dizem…

………………………………………………………………………………………………

E, enquanto Álvaro, acabrunhado, apalpa a testa — lá fora, na rua, ao luar, um violão tange o fado e a voz do fadista canta:
“Homem que casa não sabe
Qual o destino que o espera…
Há gente como a pescada,
Que antes de o ser já o era…”

Pesquisa e atualização ortográfica: Iba Mendes (2017)

compre-amazon

   

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *