Congresso Internacional do Medo, Poema de Carlos Drummond de Andrade

0Shares

Congresso Internacional do Medo

Provisoriamente não cantaremos o amor,
que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos.
Cantaremos o medo, que esteriliza os abraços,
não cantaremos o ódio porque esse não existe,
existe apenas o medo, nosso pai e nosso companheiro,
o medo grande dos sertões, dos mares, dos desertos,
o medo dos soldados, o medo das mães, o medo das igrejas,
cantaremos o medo dos ditadores, o medo dos democratas,
cantaremos o medo da morte e o medo de depois da morte,
depois morreremos de medo
e sobre nossos túmulos nascerão flores amarelas e medrosas.

Publicado em Antologia Poética – 12a edição – Rio de Janeiro: José Olympio, 1978, ps. 108 e 109

   

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.