Horizonte, Poema de Fernando Pessoa

0Shares

Horizonte

O’ mar anterior a nós, teus medos
Tinham coral e praias e arvoredos.
Desvendadas a noite e a cerração,
As tormentas passadas e o mysterio,
Abria em flor o Longe, e o Sul siderio
Splendia sobre as naus da iniciação.
Linha severa da longinqua costa —
Quando a nau se approxima ergue-se a encosta
Em arvores onde o Longe nada tinha;
Mais perto, abre-se a terra em sons e cores;
E, no desembarcar, ha aves, flores,
Onde era só, de longe a abstracta linha.

Poema publicado no livro Mensagem composto por 44 poemas, dividido em três partes e publicado em 1934. Foi o único que Fernando Pessoa publicou em vida, se descontarmos os livros de poemas em inglês.

   

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.