João e os seus camaradas, Conto de Guerra Junqueiro

0Shares

João e os seus camaradas

 
Era uma vez uma viúva com um filho único. Ao cabo de um inverno rigoroso, possuía apenas um galo, e meio alqueire de farinha. João resolveu-se a correr mundo, à busca de fortuna. A mãe coseu o resto da farinha, matou o galo, e disse-lhe:
O que é que preferes: metade desta merenda com a minha bênção, ou toda com a minha maldição?
Que pergunta! respondeu o pequeno. Nem por quantos tesouros há no mundo eu quereria a tua maldição.
Bem, meu filho, replicou a mãe carinhosamente. Leva tudo, e Deus te abençoe.
E partiu. Foi andando, andando, até que encontrou um jumento, que tinha caído num atoleiro, de onde não podia sair.
Oh! João, exclamou o burro, tira-me daqui, que estou quase a afogar-me.
Espera, respondeu João.
E, formando uma ponte com pedras e ramos de árvores, conseguiu tirar o quadrúpede do atoleiro.
Obrigado, disse-lhe ele, aproximando-se de João. Se te posso ser útil, aqui me tens ao teu dispor. Aonde vais tu?
— Vou por esse mundo fora, a ver se ganho a minha vida.
Queres tu que eu te acompanhe?
Anda daí.
E puseram-se a caminho.
Ao passarem por uma aldeia, viram um cão perseguido pelos rapazes da escola, que lhe tinham atado ao rabo uma chocolateira velha. O pobre animal correu para João que o acariciou, e o jumento pôs-se a ornear de tal maneira, que os rapazes com o medo deitaram todos a fugir.
Obrigado, disse o rafeiro a João. Se para alguma coisa te for prestável, aqui me tens às tuas ordens. Aonde vais tu?
Vou por esse mundo de Cristo, a ver se ganho a minha vida.
Queres que te acompanhe?
Anda daí.
Quando saíram da aldeia pararam junto de uma fonte. O pequeno tirou a merenda do alforje, e repartiu-a com o cão. O burro pastou alguma erva que por ali havia. Enquanto jantavam, apareceu um gato esfaimado a miar lastimosamente.
Coitado, exclamou João! E deu-lhe uma asa do frango.
— Obrigado disse o gato. Oxalá que um dia eu te possa ser util. Aonde vais tu?
— Procurar trabalho. Se queres, anda conosco.
— De boa vontade.
Os quatro viajantes puseram-se a caminho. Ao cair da tarde, ouviram um grito dilacerante, e viram uma raposa correndo a toda a brida com um galo na boca.
“Agarra! agarra!” bradou o pequeno ao cão.
E no mesmo instante o cão atirou-se atrás da raposa, que, vendo-se em perigo, largou o galo para correr melhor. O galo saltando de contente disse a João:
— Obrigado. Salvas-te-me a vida. Nunca me esquecerei. Aonde vais tu?
— Arranjar trabalho. Queres vir conosco?
— De boa vontade.
— Então anda. Se te cansares, empoleira-te no jumento.
Os viajantes continuaram a jornada com o seu novo companheiro. Sentiram-se todos fatigados e não avistavam à roda nem uma quinta, nem uma cabana.
— Paciência, disse João, outra vez seremos mais felizes. Resignemo-nos hoje a dormir ao ar livre; além disso a noite está sossegada, e a relva é macia.
Dito isto estendeu-se no chão; o jumento deitou-se ao lado dele, o cão e o gato aninharam-se entre as pernas do burro complacente, e o galo empoleirou-se numa árvore.
Dormiam todos um sono profundíssimo, quando de repente o galo começou a cantar.
— Que demônio! disse o jumento acordando todo zangado. Por que é que estás a gritar?
— Por que já é dia, respondeu o galo. Não vês ao longe a luz da madrugada, que vem rompendo?
— Vejo uma luz, disse João, mas não é do sol, é de uma lanterna. Provavelmente há ali alguma casa, onde nos poderíamos recolher o resto da noite.
Foi aceita a proposta. Partiu a caravana; foi andando, andando, através dos campos, até que parou junto da casa do guarda de um grande castelo, de onde subiam gargalhadas, gritos confusos, cantos grosseiros e blasfêmias horríveis.
— Escutem, disse João; vamos devagarinho, muito devagarinho, a ver quem é que está lá dentro.
Eram seis ladrões armados de pistolas e de punhais, que se banqueteavam alegremente, sentados a uma mesa principesca.
— Que bom assalto acabamos de dar, disse um deles, ao castelo do conde, graças ao auxílio do seu porteiro. Que bom homem que é este porteiro. à sua saúde!
— à saúde do nosso amigo! repetiram em coro todos os ladrões.
E de um trago despejaram os copos.
João voltou-se para os companheiros, e disse-lhes em voz baixa:
— Uni-vos uns aos outros o melhor que puderdes, e, assim que vos der sinal, rompei todos ao mesmo tempo numa gritaria diabólica.
O burro, levantando-se nas patas traseiras, lançou as mãos ao peitoril de uma janela, o cão trepou-lhe à cabeça, o gato à cabeça do cão e o galo à cabeça do gato. João deu o sinal, e estourou à uma o ornear do jumento, os latidos do cão, o miar do gato e os gritos estridentes do galo.
— Agora, bradou João, fingindo que comandava um destacamento, carregar armas! Dai-me cabo dos ladrões; fogo!
No mesmo instante o jumento quebrou a janela com as patas, zurrando cada vez mais; os ladrões atemorizados refugiaram-se no bosque, saindo precipitadamente por uma porta falsa.
João e os seus companheiros penetraram na sala abandonada, comeram um excelente jantar, e deitaram-se em seguida — João numa cama, o burro na cavalariça, o cão numa esteira ao pé da porta, o gato junto do fogão e o galo num poleiro.
Ao princípio os ladrões ficaram muito contentes, por se verem sãos e salvos na floresta. Mas depois, começaram a refletir.
— Era bem melhor a minha cama, do que esta erva tão úmida, disse um deles.
— Tenho pena do frango que eu começava a saborear, disse um outro.
— E que rico vinho aquele! acrescentou o terceiro.
— E o que é mais lamentável, exclamou um quarto, é ficar-nos lá todo o dinheiro, que, com a ajuda do criado do conde, tínhamos tirado das gavetas.
— Vou ver se torno lá a entrar? disse o capitão.
— Bravo! exclamaram os ladrões.
E pôs-se a caminho.
Já não havia luz na casa; o capitão entrou às apalpadelas, e dirigiu-se para o fogão; o gato saltou-lhe à cara e esfarrapou-lha com as garras. Soltou um grito doloroso, correu para a porta, mas infelizmente pisou o rabo do cão, que lhe deu uma grande dentada. Gritou de novo, e conseguiu por fim transpor o limiar da porta. Mas quando ia a sair, o galo atirou-se a ele, rasgando-o com o bico e com as unhas.
— Anda o diabo nesta casa! exclamou o capitão, como poderei eu sair!
Julgou encontrar refúgio na estrebaria; mas o burro atirou-lhe uma parelha de coices, que o deitou quase morto ao meio do chão.
Passado algum tempo veio a si; apalpou o corpo, viu que não tinha nem pernas nem braços partidos, ergueu-se e tornou para a floresta.
— Então? então?-perguntaram-lhe os camaradas assim que o viram.
— Nada feito, exclamou ele. Mas antes de tudo arranjem-me uma cama para me deitar e cataplasmas de linhaça para pôr neste corpo, que o trago num feixe. Não podeis imaginar o que sofri. Na cozinha fui assaltado por uma velha que estava a cardar lã, e arrumou-me na cara com o cedeiro, deixando-me neste miserável estado. Quando ia a sair a porta, um demônio de um remendão atravessou-me as pernas com a sovela. Logo depois Satanás em pessoa atirou-se a mim, despedaçando-me com as garras. Na estrebaria deram-me uma paulada que me ia matando. Se vocês me não acreditam, vão lá, e experimentem.
— Acreditamos, disseram os companheiros, vendo-lhe a cara e o corpo todo ensanguentado: Não seremos nós que lá tornaremos.
Pela manhã, João e os seus camaradas almoçaram ainda excelentemente, e partiram em seguida para restituir ao conde o dinheiro que os ladrões lhe tinham roubado. Meteram-no cuidadosamente dentro de dois sacos, com que carregou o jumento. Foram andando, andando, até que chegaram à porta do castelo. Diante dessa porta estava o malvado do porteiro, com uma libré esplêndida, meias de seda, calções escarlates e cabelo empoado.
Olhou com ar de desprezo para a pequenina caravana, e disse a João.
— Que vindes aqui buscar? Não há lugar para os recolher, vão-se embora?
— Não queremos nada de ti, respondeu João. O dono do castelo far-nos-á um bom acolhimento.
— Fora daqui vagabundos, exclamou o porteiro enfurecido. Ponham-se a andar imediatamente, quando não atiro-lhes já às pernas os meus cães de fila.
— Perdão, só um instante, replicou o galo empoleirado na cabeça do jumento; não me poderias dizer quem é que abriu aos ladrões na noite passada a porta do castelo?
O porteiro corou. O conde que estava à janela, disse-lhe:
— Ó Bernabé, responde ao que esse galo te acaba de perguntar.
— senhor, replicou Bernabé, este galo é um miserável. Não fui eu que abri a porta aos seis ladrões.
— Como é então, meu velhaco, tornou o conde, que tu sabes que eram seis?
Seja como for, disse João, aqui lhe trazemos o dinheiro roubado, pedindo-lhe unicamente que nos dê de jantar e nos recolha esta noite, porque vimos cansados do caminho.
— Ficai certos que sereis bem tratados.
O burro, o cão e o galo, levaram-nos para a quinta. O gato ficou na cozinha. E enquanto a João, o conde reconhecido, vestiu-o dos pés à cabeça com um vestuário magnífico, deu-lhe um relógio de ouro, e disse-lhe:
— Queres ficar comigo? És esperto e honrado, serás o meu intendente.
João aceitou a proposta, e mandou vir a sua velha mãe para o pé de si. Casou depois com uma linda rapariga, e viveu sempre felicíssimo.

Pesquisa e atualização ortográfica: Iba Mendes (2017)

compre-amazon

   

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.