Olho os campos, Neera, Poema de Ricardo Reis (Fernando Pessoa)

0Shares

Olho os campos, Neera

Olho os campos, Neera,
Campos, campos, e sofro
Já o frio da sombra
Em que não terei olhos.
A caveira antessinto
Que serei não sentindo,
Ou só quanto o que ignoro
Me incógnito ministre.
E menos ao instante
Choro, que a mim futuro,
Súbdito ausente e nulo
Do universal destino.

Texto publicado por Fernando Pessoa na primeira edição da revista Athena, outubro de 1924, p. 19-24.

   

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.