Direitos Humanos e a Redação do Enem

4Shares

 

Não ferir os direitos humanos é um dos critérios da redação Enem que mais zera provas. Em 2016, das quase 2 milhões de redações corrigidas, apenas 77 tiraram nota máxima (1000) e quase 300 mil provas zeraram a redação e dessas, 5 mil zeraram por ferir os direitos humanos no texto.

Em 2017 o Supremo Tribunal Federal (STF) acatou um pedido proibindo que o MEC zerasse redações que ferissem os direitos humanos. Ainda que essa decisão inicialmente não se estenda as próximas edições, não ferir os direitos humanos continua sendo um dos critérios de avaliação e sua nota pode diminuir drasticamente se você não prestar atenção nisso.

     

Preparar-se para a redação do Enem também significa saber o que são direitos humanos e porque não se deve feri-los em uma redação do Enem.

 

O que são direitos humanos?

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), os Direitos Humanos são todos os direitos inerentes aos seres humanos, independentemente de sua raça, nacionalidade, sexo, etnia, idioma, posição política ou religiosa ou qualquer outra questão.

Portanto os direitos humanos se referem a liberdades pessoais, direito à cidadania, solidariedade e direito à diversidade cultural.

Os Direitos Humanos estabelecem ainda que os governos tenham certas obrigações com seu povo, promovendo e protegendo esses direitos de seus cidadãos e suas liberdades.

Se é humano, possui direitos fundamentais, segundo a própria ONU:

>Os direitos humanos são fundamentados nos princípios da dignidade de cada indivíduo
>Os direitos humanos são universais, sem discriminação
>Os direitos humanos são inalienáveis, sendo que ninguém pode ser privado deles, apesar que podem ser limitados >em situações específicas. Por exemplo, o direito à liberdade pode ser restrito se for provado, diante de um tribunal, >que uma pessoa foi culpada por um crime
>Os direitos humanos são indivisíveis, não sendo possível respeitar alguns direitos e outros não.
>Todos os seres humanos devem ser vistos como de igual importância

 

Como não ferir os direitos humanos na redação do Enem?

É fácil fazer uma redação respeitando os direitos humanos. Imagine uma pessoa como você. Você gostaria de ter seus direitos ou liberdades tiradas? Pois é. Ninguém quer, e o que você não gostaria para você, também não gostaria para os outros, não é verdade?

Portanto, evite ao máximo que seu texto tenha:

>Ideias que sugiram que existem humanos dignos e humanos indignos
>Sugestões que os direitos humanos não valem para todos
>Defesas de que os direitos humanos possam ser negados à alguém por mera opinião popular
>Ideias que alguns direitos humanos não devessem ser aplicados a todos
>Ideologias que existam pessoas inferiores e, portanto, que os direitos humanos não se aplicam a elas

 

Exemplos de redações que zeraram por ferir os direitos humanos

Separamos abaixo alguns trechos (adaptados) que zeraram a redação nos anos anteriores, para você poder compreender melhor o que é ferir os direitos humanos.

 

“as religiões deveriam ser proibidas”

“o estado deveria proibir as manifestações religiosas ao público”

“a pessoa que não respeita a religião do próximo, não deveria ter direitos sociais, como votar, por exemplo”

“a única maneira de punir o intolerante religioso é obriga-lo a frequentar a igreja”

“direitos humanos para humanos direitos”

“o governo deveria proibir religiões que não fossem baseadas na Bíblia”

“que a cada agressão cometida, o agressor recebesse na mesma proporção”

“o agressor deve sofrer os mesmos danos que a vítima sofreu e em alguns casos até pena de morte”

“estupradores devem ser castrados”

 

Veja, todos os exemplos acima se referem à perda de direitos, retirada de liberdade ou aplicação de penas fora de tribunais. Portanto essas redações foram zeradas por ferirem os direitos humanos.

Apesar da decisão do STF em 2017 de não zerar as redações por ferir os direitos humanos, é importante sabermos que a compreensão dos direitos humanos não é apenas para o Enem, mas sim para a vida, afinal, todos temos esses direitos e o dever de prezar por eles.

 

4Shares
   

Deixe um comentário